Em um modelo de mercado onde, muitas vezes, o marketing pode ser incisivo demais, profissões mais sérias e tradicionais precisam inovar para não ficar para trás e com o marketing jurídico não é diferente.

O código de ética da OAB apresenta uma série de limitações quanto à autopromoção. Ainda que isso previna uma visão comercial da profissão, os escritórios de advocacia se vêm com poucas opções de marcar presença no mercado.

No entanto, nos dias atuais é muito importante investir em marketing, principalmente pelo viés da modernização tecnológica pela qual estamos passando. Por isso, nesse texto vamos falar sobre como o marketing jurídico pode funcionar através do meio digital e os cuidados que é preciso ter ao aplicá-lo. Vamos lá?

Nesse post você vai ver:

O que é marketing jurídico?

O marketing jurídico é uma estratégia de marketing voltada para empresas de serviços jurídicos, de modo a não ferir a seriedade da advocacia, buscando conquistar clientes por meio da autoridade nos assuntos, atendimento personalizado e referências.

O objetivo principal do marketing jurídico é construir autoridade de marca e deixar que os clientes tomem a decisão de procurar seus serviços, sem que o advogado precise abordá-lo diretamente com anúncios ou ligações.

Segundo o Capítulo IV de Publicidade do código de ética da OAB, artigo 30:

“O anúncio sob a forma de placas, na sede profissional ou na residência do advogado, deve observar discrição quanto ao conteúdo, forma e dimensões, sem qualquer aspecto mercantilista, vedada a utilização de outdoor ou equivalente.”

Caso você desconheça essas diretrizes, não deixe de conferir o código de ética na íntegra.

Quando nos referimos a “aspectos mercantilistas”, o termo engloba tudo aquilo característico de vendas, desde elementos visuais, como cores fortes, imagens chamativas e textos grandes, até a linguagem de ordem, como “visite nosso site e confira!” ou “não perca!”

Entendeu o que marketing jurídico? Ótimo, mas vale a pena investir, apesar das limitações legais? Continue a ler e vamos te mostrar por que investir nesse tipo de estratégia é tão importante!

Marketing para advogados

Por que é importante fazer marketing jurídico?

Devido a tais limitações, naturalmente existem ressalvas quanto a aplicar o marketing jurídico. Alguns afirmam que essa estratégia ainda fere a profissão, outros arriscam dizer que, pela advocacia ser uma das profissões mais antigas e tradicionais existentes, não há necessidade de preocupação em relação ao marketing.

Porém, como todo negócio, é muito importante fazer com que sua marca seja notada e assim aumentar seu desempenho. Por isso, uma estratégia de marketing ajuda muito a colocar um escritório de advocacia no mapa.

No entanto, muitos ainda não investem nesse tipo de estratégia. Para te convencer da importância de fazer marketing jurídico, vamos passar por alguns benefícios! Confira:

Competitividade de mercado

O modo que o mercado se configura nos dias atuais, principalmente no meio digital, exige um período de pesquisa antes da aquisição de qualquer produto. Além disso, considerando a quantidade de escritórios de advocacia existentes, é importante criar diferenciais para não ficar para trás no mercado competitivo.

Nesse cenário, é muito importante que seu cliente te encontre primeiro que seus competidores, não é mesmo? Para isso é importante investir em SEO, otimização para mecanismos de busca, que consiste em um conjunto de técnicas e ferramentas para aparecer em primeiro lugar nas pesquisas do Google.

KIT - Materiais para potencializar o seu SEO

Fidelização de clientes

Você já notou como pode ser difícil conquistas clientes na área jurídica, não é? Por isso, o marketing jurídico deve trabalhar a fidelização de clientes já existentes, para convertê-los em promotores naturais do seu escritório.

Promotores são clientes que foram bem atendidos e, satisfeitos com o serviço que receberam, passam a divulgar sua empresa naturalmente, com posts nas redes sociais, comentários com conhecidos, e indiretamente trazem mais clientes.

A fidelização de clientes é uma estratégia que cabe perfeitamente entre as limitações da advocacia, já que é um método discreto de propaganda e não fere a sobriedade da profissão. Para que essa fidelização seja possível, é muito importante investir em um relacionamento pós-venda, por meio de ligações e fluxos de relacionamento por e-mails.

Reconhecimento

Marketing é o modo que as empresas utilizam para aparecer, para chegar até quem precisam atingir. Na advocacia também, porém de forma mais sutil.

E é para isso que existe o marketing de conteúdo, uma estratégia de marketing que consiste na produção de conteúdo, que ao mesmo tempo em que educa o cliente e lhe ajuda a identificar seu problema, forma autoridade naquele assunto para o negócio, pois o leitor vai perceber que quem escreveu o conteúdo sabe do que está falando.

Perceba como é um processo interligado: escritórios de advocacia que investem no marketing jurídico criam autoridade nos assuntos que abordam e assim conquistam mais clientes, que no futuro se tornam promotores, o que lhes garante visibilidade e, consequentemente, competitividade no mercado.

Esse investimento beneficia especialmente os pequenos escritórios, que ainda não formaram uma reputação e não possuem seus próprios promotores. O processo de construir uma autoridade de marca é lento, porém traz um número de clientes muito maior, já que as pessoas passam a procurar seus serviços, reconhecendo seu conhecimento em assuntos importantes e na qualidade.

Para que isso aconteça, é possível investir na produção de conteúdos que abordam os temas mais importantes, educando seus futuros clientes e mostrando que você entende do assunto.

Para saber mais sobre o marketing de conteúdo, confira nosso post: Marketing de conteúdo: o que é e como ele pode alavancar as vendas da sua empresa.

Agora que você sabe da importância de trabalhar com marketing jurídico, mesmo com as limitações da OAB, vamos te mostrar como fazê-lo! Confira:

5 dicas para fazer marketing jurídico

1 – Definir público-alvo

Para atingir seu público-alvo, é necessário saber como encontrá-lo e qual a melhor abordagem a usar para que o fechamento de negócio seja uma certeza.

E, para que isso aconteça, o que você precisa saber sobre seu público-alvo? Faixa etária, renda média, problemas que normalmente apresentam, profissão, tudo para que a abordagem seja a mais efetiva possível. Por exemplo, se seu escritório de advocacia é formado majoritariamente por advogados matrimoniais, podemos supor que seu público-alvo é formado por casais na faixa dos 40 anos, sem filhos, etc.

Além disso, para que você saiba que tipo de conteúdo produzir para seus clientes, é recomendável criar personas, que são personagens que refletem seu público-alvo e suas necessidades, deixando mais claro qual é o problema e como o conteúdo a ser produzido deve resolvê-lo.

A imagem abaixo explica as diferenças entre público-alvo e persona, para que haja confusão:

Público-alvo vs persona

Além de ajudar a produzir o conteúdo correto, definir seu público-alvo ajuda a formar relações mais empáticas com seus clientes, já que possibilita entender seu problema e se colocar em seu lugar.

2 – Definir canais

Agora que você sabe quem consumirá seu conteúdo, precisa também saber por onde ele será disseminado. Isso dependerá de quais veículos seu público-alvo usa, pois é por meio deles que você vai atingi-los.

O e-mail marketing é o modo mais efetivo de abordar clientes com conteúdo, já que enquanto algumas pessoas não possuem perfis nas redes sociais, poucas não tem um e-mail. Por ele você indica conteúdos que vão ajudar a identificar seu problema e achar um modo de resolvê-lo. Você pode enviar textos de blog, vídeos postados no YouTube, entre outros.

No entanto, outros veículos também podem dar resultados, como Facebook, Whatsapp, entre outras redes que permitem o contato direto com o cliente. Alguns anos atrás o uso desse tipo de veículo poderia ser reprovado pelo código de ética da OAB por serem muito informais, porém atualmente é comum encontrar empresas que vendem por meio de mensagens, e por isso os escritórios de advocacia também estão adotando esse método.

3 – Elaborar conteúdo

Baseando-se no seu público-alvo e nos veículos que usam, é hora de selecionar que tipo de conteúdo será priorizado com o objetivo de conquistar clientes.

Seguindo o exemplo anterior sobre advogados matrimoniais, o conteúdo produzido por esse escritório seria relacionado com essa área da advocacia, como textos sobre “Como funciona a separação de bens” ou “O que considerar antes de assinar um acordo pré-nupcial”.

4 – Planejar o relacionamento com clientes

Não adianta conhecer seus clientes se não souber como se relacionar com ele, certo?

A abordagem usada com um cliente pode ser o que vai determinar se ele vai continuar contratando  o seu serviço ou não, por isso é muito importante analisar sua carteira de clientes para elaborar uma estratégia de relacionamento eficaz.

Algumas dessas ações da estratégia de relacionamento com clientes, pode ser: disponibilizar canais de contato para que advogados respondam dúvidas, marcar reuniões de acompanhamento, fazer disparo de e-mails, encaminhar conteúdos de blog para clientes, entre outras interações.

5 – Direcionar orçamento

Ainda que o marketing jurídico lide com menos publicidade, envolve algumas ferramentas de marketing que têm um custo. Ter um site, por exemplo, é muito importante para o marketing e cada plataforma cobra um certo valor, assim como outros “impulsionadores de marketing”.

É por isso que antes de implantar o marketing jurídico é importante fazer uma análise do custo-benefício do processo, reunindo as previsões de gastos para cada etapa e do lucro geral, e se compensa. Lembrando que o marketing jurídico é um processo contínuo, então o orçamento direcionado será constante.

Ao implantar essa estratégia de marketing, é recomendável monitorar os resultados obtidos ao fim de um determinado período de tempo, para ter uma aproximação do custo-benefício.

Como você pode ver, o processo de marketing digital pode ser bem cansativo e exigir bastante tempo dos advogados. Para isso existe a automação de marketing, que além de lidar com muitas tarefas ao mesmo tempo, ajuda a melhorar a eficiência de cada processo. Quer entender melhor o que é automação de marketing e como essa ferramenta se relaciona com o marketing jurídico? Então continue lendo!

Teste de maturidade em marketing digital

Por que automatizar o marketing jurídico?

O marketing jurídico prioriza a relação com cliente. Este processo de conhecer, entender e ajudar a pessoa que procura seus serviços envolve várias etapas muito importantes para que o cliente fique satisfeito e se torne um promotor no futuro. Por isso, é um processo complexo e, dependendo do número de clientes que o seu escritório costuma receber, pode ser exaustivo.

A automação de marketing tem como uma de suas principais funções otimizar o processo de relacionamento com o cliente, para que o funcionário só precise fazer o essencial. Isso ajuda não apenas a aumentar o desempenho do escritório, como também diminuir o tempo gasto com trabalho repetitivos e deixar o advogado mais livre para focar em outras tarefas.

Nós separamos abaixo algumas das funções da automação de marketing que mais contribuem para otimizar esse processo nos escritórios de advocacia! Confira:

Personalização

Ainda que discreta, um escritório de advocacia precisa criar uma identidade.

Nesse quesito, a automação de marketing oferece páginas online personalizáveis, onde a organização pode publicar seus conteúdos, informar endereços e descrever as qualificações dos advogados do escritório onde atuam, entre outras informações que estejam dentro das limitações da OAB que, segundo o artigo 29 do código de ética, são:

“O anúncio deve mencionar o nome completo do advogado e o número da inscrição na OAB, podendo fazer referência a títulos ou qualificações profissionais, especialização técnico-científica e associações culturais e científicas, endereços, horário do expediente e meios de comunicação, vedadas a sua veiculação pelo rádio e televisão e a denominação de fantasia.”

Fluxos de relacionamento

Determinar qual conteúdo atende as necessidades de cada cliente exige um período de estudo e dedicação, para evitar cometer erros e realmente ajudar as pessoas que se interessam pelo seu serviço. Logicamente, esse processo demanda tanto tempo quanto o envio de e-mails. Quanto mais pessoas com quem lidar, mais tempo direcionado a elas.

Uma plataforma de automação de marketing oferece modelos de fluxos de relacionamento (também chamados de fluxos de nutrição), que automaticamente indicam qual conteúdo deve ser enviado para cada tipo de cliente, fazendo a análise de perfil individual, diminuindo as chances de erro e o tempo para realizar tal processo. Além disso, a maioria das plataformas disponibiliza que o advogado sozinho crie o fluxo que preferir, dependendo do estilo do seu negócio.

Nova automação - fluxo de nutrição de leads

Indicadores e relatórios

Enquanto a automação de marketing realiza todas essas funções que citamos, também reúne os dados obtidos em cada processo e fornece indicadores que ajudam a guiar os próximos processos. Como?

Vamos supor que um indicador mostre que poucos clientes estão procurando seus serviços e não estão sequer abrindo os e-mails que recebem. Isso indica que os conteúdos que estão sendo enviado não são adequados para aqueles clientes e não estão os conquistando como deveriam. Com essa informação em mão, seu escritório pode investir em melhorar a produção de conteúdo e adequá-la ao público-alvo.

Percebe como a automação de marketing pode simplificar a rotina de trabalho nos escritórios de marketing? Sua implantação aumenta o desempenho e rendimento geral da organização! Se quer ver mais as funções da automação de marketing e como o Fleeg pode te ajudar? Confira nossas soluções em marketing jurídico!