No marketing digital, páginas de captura são páginas que servem para capturar leads, geralmente oferecendo um conteúdo gratuito em troca das informações de contato do usuário.

Há muitas décadas, o marketing adquiria leads comprando listas telefônicas quilométricas, ou criando formulários físicos enormes. Mas, com o boom do marketing digital, as páginas de captura (ou landing pages) passaram a ser uma das principais encarregadas de capturar contatos.

Ainda assim, de nada adianta construir uma página de captura que não consegue convencer os usuários a fornecer as informações necessárias. Por isso, resolvemos explicar como criar uma boa landing page e ainda separamos 7 dicas para que você consiga otimizá-las! Siga lendo o post para descobrir quais são.

Mas antes, vamos entender:

Como é a estrutura de uma página de captura?

Estrutura de uma página de captura

A estrutura de uma landing page pode variar de acordo com os seus objetivos, mas, em geral, esses são alguns dos elementos mais comuns:

  • Cabeçalho: aqui é onde costuma ficar o título do conteúdo oferecido/isca digital (falaremos mais sobre isso a frente) e uma breve descrição (que também pode funcionar como um subtítulo).
  • Texto: o texto de uma página de captura deve ser simples e direto, explicando sobre o que o usuário obterá se preencher o formulário e, em alguns casos, resumindo o conteúdo dela.
  • Formulário: o formulário é a parte mais importante da página de captura. É por meio dele que serão capturadas as informações de contato do usuário, transformando-o em um lead. Além disso, o formulário pode pedir outras informações que sejam relevantes para você.
  • CTA: CTA é a sigla para call to action e, como o próprio nome sugere, é onde você chama o usuário para realizar determinada ação. Se você está oferecendo um e-book, por exemplo, a CTA pode ser “clique aqui e baixe agora!” ou simplesmente um botão “Baixar e-book.”

Você pode contratar um desenvolvedor para criar uma boa página de captura para o seu site, mas isso não é absolutamente necessário. Hoje em dia há softwares que oferecem modelos prontos dessas páginas e podem criá-las automaticamente para você, e de maneira personalizada para que elas não fujam do padrão do seu site.

Agora que você entendeu a estrutura de uma landing page, vamos nos atentar a alguns detalhes que podem fazer a diferença na hora de converter seus usuários. Confira as 7 dicas que separamos para você.

7 dicas para criar boas páginas de captura

1 – Ofereça uma boa isca digital

Já ouviu aquela expressão “de graça, até injeção na testa”? Então, isca digital nada mais é do que um material de interesse do usuário que você oferecerá gratuitamente. Mas, em troca, ele deve deixar suas informações de contato, como e-mail, telefone, e empresa.

Esse tipo de oferta é muito persuasiva, pois você está oferecendo de graça um conteúdo que é interessante e relevante para o usuário.

Além disso, é importante que o conteúdo oferecido e a própria landing page sejam feitos pensando no seu público-alvo. Falaremos mais sobre isso no próximo tópico.

2 – Conheça bem o seu público-alvo e tenha personas bem definidas

Existe um jeito infalível de não agradar ninguém: tentar agradar todo mundo. Atirar para todos os lados nunca foi uma boa estratégia, daí a importância de ter um público-alvo bem definido na hora de criar sua landing page.

Público-alvo

Um público-alvo é o que entende-se pelo perfil da sua audiência de acordo com o produto que você oferece. Sua oferta é atraente para homens ou para mulheres? De qual idade? De qual profissão? Com qual personalidade? A partir disso, cria-se um grupo de pessoas com características em comum e que são potenciais compradores.

Com um público bem definido, você consegue incluir elementos na página que farão com que ele reaja positivamente, desde a linguagem utilizada, até as imagens etc.

Mas é importante frisar que essas informações não são mera adivinhação. Na verdade elas precisam ser obtidas por meio de muita pesquisa e coleta de informações dos seus consumidores, dos dados do mercado, etc.

Persona

Mesmo sabendo da importância de definir personas para o negócio, muitos ainda deixam essa prática de lado. Não faça isso: é essencial trabalhar com personas, pois elas fazem toda a diferença na hora de definir suas estratégias, criar peças publicitárias e conteúdos.

Diferentemente do público-alvo, a persona é uma representação do cliente ideal de uma empresa através um personagem. Explicando melhor: o público-alvo diz respeito a um grupo de pessoas à qual sua oferta se direciona, enquanto a persona é alguém em específico, um personagem criado por você. Mas esse personagem deve ser detalhado de acordo com o perfil do seu cliente ideal, para te ajudar a entender os comportamentos e interesses dele. Ela pode até ter uma aparência, para que você possa enxergá-la de uma forma mais real.

Assim como o público-alvo, a persona deve ser criada com base em pesquisas e dados reais sobre os consumidores.

Público-alvo vs persona

3 – Tenha uma página visualmente agradável e bem organizada

Lotar uma página de captura com informações desnecessárias ou deixá-la bagunçada e confusa vai dificultar todo o processo. Como um usuário vai fornecer as informações dele, se ele sequer consegue achar o formulário na página, por exemplo?

Questões como: a fonte que será usada, as cores dos botões, a disposição dos elementos na tela, e elementos de design em geral, podem e vão fazer a diferença na escolha do usuário em enviar ou não suas informações em troca do seu conteúdo.

Além disso, é interessante que a landing page não possua menus de navegação como nas outras páginas do site. Afinal, isso abre brecha para que o usuário saia da página de captura e vá para outra parte do seu site sem ser capturado.

4 – Otimize as páginas para SEO

Ainda há muitas dúvidas sobre a utilização de técnicas de SEO em páginas de captura e em sites em geral. Mas é um fato que, se os mecanismos de busca (como o Google) não conseguirem encontrar seu site, ele muito dificilmente terá algum sucesso. Sendo assim, é fácil concluir que páginas de captura também devem ser otimizadas nesse sentido.

Como as páginas de captura costumam entregar conteúdos em troca das informações do usuário, é muito importante que esse conteúdo esteja bem posicionado no Google quando alguém pesquisar por ele. Se você oferece um e-book sobre receitas com chocolate belga, por exemplo, e alguém está pesquisando sobre o assunto, nada melhor do que a sua página de captura com o e-book no topo dos resultados para essa pesquisa, não é mesmo?

Se você não conhece muito bem técnicas de SEO, vale a pena aprender um pouco sobre o assunto com esse e-book:

Como o Google avalia o seu site? Guideline traduzido e resumido

5 – Otimize as páginas para dispositivos móveis

Atualmente, mais de 50% do tráfego online ocorre por meio de dispositivos móveis. Impulsionada pela popularidade dos smartphones, essa forma de tráfego é a mais popular atualmente, e é até possível que você esteja, nesse momento, lendo isso no seu celular.

Como as telas dos dispositivos móveis têm dimensões completamente diferentes, o mesmo modelo de site não pode ser usado para eles, pois a leitura e navegação seriam dificultadas e, muitas vezes, impossibilitadas. Nesse caso, a sua taxa de rejeição aumentaria muito, pois um usuário móvel que abrisse a sua página e não conseguisse navegar nela, imediatamente a fecharia e iria para outra.

Por isso é importante que não apenas as suas páginas de captura, mas todo o seu site tenha uma versão exclusiva para dispositivos móveis, com um design projetado especialmente para esses aparelhos.

Entre as características de um site mobile friendly estão a possibilidade de navegação e clique por toque, ter carregamento rápido (para o caso do usuário que está utilizando os dados móveis) etc.

Quando as páginas de captura são mobile friendly, o rankeamento delas no Google melhora consideravelmente, pois esse é um fator importantíssimo para o buscador, a taxa de rejeição diminui, e a taxa de conversão aumenta.

Veja também: como criar uma squeeze page que converte.

6 – Preste atenção nos formulários

Ninguém quer preencher um formulário com 185 perguntas para baixar um PDF de três páginas, né? Então, tome cuidado para não fazer um formulário excessivamente grande, pois isso pode desmotivar o usuário.

O ideal é que você consiga informações o suficiente para poder gerenciar o lead capturado, mas não exagere na quantidade de perguntas. Por isso, sempre se questione: quais são as informações indispensáveis para que eu possa saber se aquele é um lead de qualidade e tenha capacidade de gerenciá-lo?

As informações questionadas no formulário vão depender muito do tipo de negócio. Se você trabalha com marketing B2B, por exemplo, saber a empresa e o cargo do usuário é indispensável. Mas isso, talvez, não seria necessário em um processo de marketing B2C.

7 – Utilize provas sociais

Entre os diversos gatilhos mentais, as provas sociais são alguns dos mais utilizados por sua eficiência. Provas sociais nada mais são do que relatos de pessoas que já adquiriram um produto e o aprovaram.

Esses depoimentos podem fazer muita diferença na sua página de captura, pois ajudam a convencer o usuário de que o conteúdo oferecido é realmente bom, afinal, outras pessoas que o consumiram aprovam.

Isso é só o começo…

Parece óbvio, mas criar a landing page é só o começo. É importante que você monitore-as para saber como está o seu desempenho, quantos leads estão sendo capturados por elas, a qualidade desses leads e, com base nessas informações, continuar a otimizá-la.

Para que você possa se aprofundar ainda mais nesse assunto, criamos a checklist Landing Page que converte. Torne-se um verdadeiro expert em páginas de captura!

Checklist - Landing Page que converte